Aguarde. Carregando informações.
CESMAC ONLINE

Para acessar a área do aluno, utilize sua matrícula e senha nos campos abaixo e clique em acessar.

Esqueceu a senha? Clique aqui.

Cesmac recebe Mutirão do Tribunal do Júri

Iniciativa do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Os corredores do Campus III - Íris II do Cesmac, localizado na Rua: Íris Alagoense, ficaram lotados para receber mais uma edição do Mutirão do Tribunal do Júri. A iniciativa é do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) e tem o objetivo é dar celeridade ao julgamento de processos que envolvem crimes contra a vida. O processo teve início na última segunda feira, 13, e segue as ações do Mês do Júri. Ao todo, 18 casos estão sendo levados a júri popular em faculdades particulares de Maceió e em comarcas do interior.
No Cesmac, um dos processos julgados é o de Pedro Gomes da Silva, acusado de matar Lousival Bernardes Rosa e ferir Lourenildo da Silva Rosa com golpes de arma branca, no dia 18 de dezembro de 2006, no bairro Bebedouro. As vítimas eram sogro e cunhado do acusado e tentavam impedir que ele batesse na mulher.
Outros casos antigos também estão sendo levados ao conselho de júri. Segundo o presidente do TJ/AL, Otávio Praxedes, o objetivo é cumprir a meta da Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública (Enasp), um plano montado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para dar celeridade ao Poder Judiciário.
"A recomendação do CNJ é que todo mês de novembro os processos aptos a julgamento pelo conselho de sentença sejam submetidos a julgamento", disse. "Estamos a cumprir essa meta e executando esse projeto há mais de quatro anos e todo novembro é muito significativo", completou.
Otávio Praxedes lembrou ainda a importância da ação. "Isso é importante porque acaba com essa imagem de que o judiciário engaveta processos, acaba com o clima que a sociedade imagina de impunidade. Estamos fazendo esse trabalho para mostrar a quem percorre o caminho do crime que cedo ou tarde será submetido a julgamento", apontou.
De acordo com o coordenador do mutirão, juiz André Gêda, “esse movimento é de suma importância, pois alia teoria com prática efetiva de um Tribunal do Júri. Aqui os acadêmicos vivenciam exatamente como de fato ocorre um julgamento no âmbito da vara especializada dos crimes dolosos contra a vida”, explicou.
O primeiro dia do julgamento contou com as seguintes presenças: Reitor do Cesmac doutor João Rodrigues Sampaio Filho, Vice-Reitor do Cesmac professor doutor Douglas Apratto Tenório, coordenador do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ Cesmac) professor Marcos Joel, Diretor da Faculdade Cesmac do Agreste o juiz Orlando Rocha, coordenador do curso de Direito do Cesmac professor Afrânio Roberto, assessor da coordenação do curso de Direito professor José Pereira Neto, 2º Tesoureiro do Cesmac Estácio Valente, entre outros.