TEXTO
TEXTO
+ -

Olá, seja bem vindo!

Esqueceu a senha? Clique aqui.

Baixe o nosso app:

Docente de Medicina Veterinária orienta para o aparecimento de animais peçonhentos ou não nessa época de chuva

Prof. Marcos Vieira explica que os animais estão à procura de abrigo ou alimento, sendo o mais indicado solicitar a captura adequada

05/04/2021 às 16h15

O momento de mudança de temperatura ocasionado pelas chuvas provoca a saída de animais pecilotérmicos do habitat natural em busca de calor. Nesta época do ano o docente do curso de Medicina Veterinária do Cesmac, Marcos Vieira, que também coordena o Criatório de Animais Silvestres da graduação, realiza o importante trabalho de captura desses animais.
Geralmente se observa um grande aparecimento destes animais durante o período chuvoso com mais frequência em casas e apartamentos, especialmente os localizados próximos às áreas verdes. Escorpiões, aranhas, lacraias e até serpentes costumam buscar locais secos para se proteger das enchentes e acabam se tornando um perigo, especialmente para crianças.

Outro fator que torna a situação ainda mais difícil é no meio antrópico, quando se pode observar o acúmulo de lixo nas áreas urbanas e, consequente aumento do aparecimento de serpentes devido a oferta de alimento (ratos), outros animais também podem aparecer buscando abrigo como aranhas, escorpiões dentre outros. Geralmente esses animais podem ser encontrados debaixo de algum móvel, em um local com menor luminosidade ou simplesmente andando pela casa.

“Alertamos para uma possível interação entre seres humanos e estes animais (peçonhentos ou não) dentro de nossas casas. Os animais estão à procura de abrigo e/ou de alimento. Continuamos solicitando caso isso ocorra entrar em contato urgente com os órgãos competentes para que se realize a avaliação e procedimento adequados. Não tentar realizar a captura”, orienta e alerta o docente.
O docente realizou a captura de PAPA-RÃ (Echinanthera occipitalis), animal não peçonhento que pode chegar a medir cerca de 50 cm. Possui características de hábito diurno e se alimenta de anfíbios (geralmente pequenas rãs) por isso recebe o nome popular. O animal foi encontrado nas dependências da instituição e transcolado para área adequada. O registro do momento ficou por conta de Roberto Rômulo e Marcos Filho.

Mais um resgate realizado nas dependências da Instituição foi um exemplar de Jiboia (Boa constrictor) encontrado no recinto de um dos animais do Criatório de Animais Silvestres do Cesmac.  Após avaliação, foi constatado que poderia ser reintroduzir na natureza. Hoje (05) foi encontrada uma Jararaca do gênero Bothrops, animal solenóglifo que possui presa inoculadora de veneno.  O trabalho é feito com o apoio das Ligas Acadêmicas de Bem-estar Animal (LABEA - @labeacesmac) e Animais Selvagens (GEAS - @geas.cesmac).
Ao encontrar algum animal peçonhentos ou não, como uma serpente, por exemplo, ou outro animal selvagem, deve-se avisar imediatamente ao Corpo de Bombeiro pelo telefone 193, e ainda para os órgãos ambientais como a Polícia Ambiental (82) 98833-5879, para que possam realizar a devida contenção e translocação do animal para um local adequado.